Reflexões


2015, a lama e o racismo

O descaso e a ganância da Samarco, associados a um modelo de gestão ambiental temerário geraram a maior tragédia ambiental dos últimos anos. Os ímpetos golpistas de uma direita autoritária somaram-se à pirotecnia de quem ocupa levianamente a presidência da Câmara dos Deputados. A promiscuidade dos partidos de conveniência chegou ao limite e demonstrou a precariedade do atual sistema político. A agitação política dominou o cenário e as instabilidades definiram o calendário acelerado dos brasileiros e brasileiras em 2015.

Para população negra estas instabilidades evidenciaram desafios ainda mais complexos em face das novas e sofisticadas formas de manifestação do racismo no país.

Com a progressiva chegada de pessoas negras em espaços de reconhecimento e visibilidade a discriminação racial passou a ser registrada com mais frequência nas redes sociais e novas tensões ganharam o relevo de problema nacional.

Os ataques contra Maria Júlia Coutinho, Cris Viana, Tais Araujo e Sheron Menezes demonstraram o incômodo do Brasil com a presença de mulheres negras em espaços de prestígio e reafirmaram que o racismo é um problema vivido tanto por negros pobres quanto por negros ricos e famosos.

Na mesma direção, o genocídio seguiu demonstrando sua face mais cruel. Trajetórias, sonhos e projetos de jovens negros continuaram sendo exterminados - na maioria das vezes com tiros na nuca, transmissão triunfante nos programas policiais e forma jurídica definida e legitimada: autos de resistência.

Tanto pela falta de perspectivas imposta pelo racismo quanto pelas operações de guerra lideradas pelas polícias brasileiras vimos massacres e chacinas de pretos ocorrerem aos montes sem qualquer grande comoção nacional. Em 2015, vimos as forças policiais chegarem ao limite na sua ação de terror para matar jovens negros com requintes de dor e perversidade. Tudo isso sem qualquer reação política capaz de fazer frente ao gigantismo e à complexidade do problema.

No âmbito da política a representação do país segue sendo contraditória e igualmente violenta. Apesar de serem a maioria demográfica os negros seguiram como minoria política no Brasil. Mesmo com o aumento da participação dos negros nas parcelas mais escolarizadas da população não vimos na política o reflexo destes importantes avanços. Continuam sendo brancas, masculinas e heterossexuais as várias faces do poder; da riqueza e do prestígio no conjunto da sociedade.

Num ano especialmente controverso assistimos à disputa acerca das formas de descrevermos o humano e de representarmos o que é a vida digna nesta sociedade. Na lama que enterra histórias, na tentativa de golpe que ataca nossas pequenas conquistas, nas tramas de corrupção que confundem a distinção entre o público e o privado ou na luta do povo que enfrenta o poder e reinventa a esperança: a vida negra permaneceu no centro da disputa nos enredos das agendas conservadoras ou nas pelejas resistentes por justiça e liberdade.


Felipe da Silva Freitas é mestre em direito pela Universidade de Brasília e pesquisador associado do Grupo de Pesquisa em Criminologia da Universidade Estadual de Feira e Santana.



Brasil - entre as cunhanárias e o Aedes Aegyptis

Das coisas que observo na nova Polícia Federal, a nomenclatura que a instituição atribui a suas operações tem inegável lugar de destaque. Nos últimos 12 anos, assistimos o desenrolar da “Professor Pardal”, da “Vassourinha”, da Satiagraha, entre outas tantas, e hoje (15/12) fomos despertados com a deflagração da “Catilinárias”. A criatividade tem relação direta com a intensificação da atuação do órgão, que investiu 2.226 ações entre 2003 e maio de 2014, totalizando 24.881 prisões, sendo 2.351 servidores públicos, dos quais 119 policiais federais. Os dados são do site da própria PF, no item “Estatísticas”.

A Catilinárias foi deflagrada no âmbito da Lava Jato, em parceria com a Procuradoria Geral da República, com mais de 50 mandados de busca e apreensão em endereços de diferentes capitais do país, ligados aos esquemas do presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ). Sob acusações de lavagem de dinheiro e corrupção passiva, os alvos dessa etapa do processo são correligionários do pmdebista, que insiste na negação de evidências dos seus delitos, extensas e internacionalmente comprovadas, com a mesma pertinácia com que tenta destituir a presidenta Dilma Rousseff, legitimamente eleita pela maioria dos brasileiros.

Desta vez, a PF se inspira no político romano Lúcio Sérgio Catilina, que parece ter seguidores em todo o mundo ao longo da história. De forma extenuante, Catilina utilizou dos mais escusos artifícios para desafiar a democracia de Roma entre os anos 64-63 a.C. Por aqui, Cunha pratica as mais evasivas manobras - ditas regimentais - para adiar o inadiável: sua deposição do comando da Câmara e consequente cassação do mandato de deputado federal pelo Rio de Janeiro. Atos questionados pela população e por uns poucos congressistas, mas encaminhados com sucesso pelos ritos da casa legislativa.

Egresso da nobreza empobrecida de Roma (talvez o único desalinho com Cunha), Catilina não perdera a soberba ou a ambição pelo poder, chegando a tentar fazer uso da força para atingir seus objetivos. Sua sanha viria a ser desarticulada justamente pelo cônsul Marco Túlio Cícero (64-63 a.C.), considerado o maior conferencista da época e que ocupava o posto por ele ambicionado.

Catilinárias, portanto, designa os desmandos de Catilina, deixando gancho para outra derivação, a que marca as Cunhanárias consequentes do ímpeto de ódio e descontrole de Eduardo Cunha. Finalmente, do que parece ter sido iniciado hoje, quem sabe somente agora teremos pmdebistas na mira das últimas investidas da Polícia Federal contra o largo espectro de políticos envolvidos com a corrupção. Uma empreitada que nos enche agora da esperança de sermos poupados de outras famigeradas cartas de chorumelas.

Chorumelas a parte, lamentável mesmo é a constatação de que temos um Congresso regido por Cunhanárias, enquanto o país cuida de matar os jovens negros e de garantir a má constituição craniana dos que estão por nascer, formando uma geração, condenada por antecipação, de microcefálicos. Indiferentes, deputados e senadores seguem se eximindo diariamente da tarefa de legislar pela redução dos danos sociais acumulados ao longo da história do país.

Como se a eles nenhum dolo coubesse, os nossos legisladores se limitam à inversão de deveres, atribuindo à população, por excelência às pessoas negras, responsabilidades pelas mazelas das desigualdades, da criminalidade, da falta de saneamento básico e de água potável. Como se isso não fosse o bastante, mesmo neste cenário de total descompromisso público com a saúde coletiva, culpam os cidadãos pela multiplicação de focos do mosquito Aedes Aegyptis e por toda sorte de doenças que ele prolifera. Assim, ainda havemos de ter muitas Catilinas.




Juci Machado é Jornalista, Relações Públicas, Editora e estudiosa das questões de gênero, raça e etnia.



Andressa Anholete

"Amar não é tolerar, amar é respeitar"

Foi pela fé. Foi pelas conexões que nos ligaram a algo maior; que nos redimiram das usurpações da carne e da alma; que nos transportaram para lugares leves nas horas duras, que achamos sentidos para escolher a vida.

É preciso compreender que as religiões de matriz africana não são um resquício de tradições vulgares, como muito se quer difundir, mas uma das bases de sustentação da sobrevivência da população negra nesse país.

Por isso, as pessoas negras, todas as pessoas negras, são credoras dessas matrizes. Os ataques a essas bases religiosas significam um atentatado contra aquilo que nos fez possível; contra as curas físicas e espirituais que se processaram nesses espaços, quando tudo apontava para nossa exploração, nosso vilipêndio, nossa extinção.

Preservar esse legado, respeitar essa forma tão negra de se conectar com o espiritual, nos diz respeito. A todos e todas nós. Não se trata de filiação religiosa, mas da proteção de algo que é nosso pelo orgulho de ser o que somos; pela dignidade de podermos expressar esse legado cultural que se fez na base da dor e do amor; de preservar segredos e tradições que não podem ser acessados por inteiro, mas nos pertencem por direito.

Credores de nós, de nosso esforço e suor na construção do que se entende por Brasil, é, consequentemente, compromisso ético de todos e todas zelar pela preservação dos terreiros de Umbanda e Candomblé espalhados pelo país.

As agressões a esses espaços que têm se dado sistematicamente, contabilizando hoje, mais de treze em 2015, apenas no Distrito Federal, dão a dimensão do racismo que preside nossas relações. Na ousadia de se atear fogo ao que é sagrado, na morosidade institucional que nos faz coletar as cinzas das tragédias sem respostas consequentes.

É portanto, em nome do respeito religioso e do enfrentamento do racismo, que nos posicionamos. Resistindo ao que nos quer aniquilar como expressão, como coletividade. Reivindicando igualdade, não apenas tolerância, para professarmos a fé que nos fez e faz possibilidade com liberdade e altivez.

Hoje, enquanto choramos e amparamos Mãe Baiana e seus filhos e filhas pela destruição que as labaredas gratuitamente provocadas impuseram a sua casa sagrada - Ilê Axé Oyá Bagan - , nos reunimos para falar amor: um amor que contesta as injustiças, que denuncia as covardias e que, em nome dos Orixás que nos governam os destinos, insiste em nos apontar para o caminho da comunhão, do afeto e da solidariedade como o norte fiel de nossa caminhada.



Ana Luiza Flauzina - Brado Negro



Os presentes da Consciência Negra

No Dia da Consciência Negra assisti ao espetáculo "O Topo da Montanha", que descreve os diálogos entre o líder negro Martin Luther King e uma camareira, na noite anterior ao assassinato do ativista político norte-americano.

Escrita por Katori Hall, jovem escritora negra norte-americana, e traduzida por Silvio Albuquerque, diplomata negro brasileiro que foi Diretor da Divisão de Temas Sociais do Itamaraty, a peça é estrelada por Taís Araújo e Lázaro Ramos e marca o encontro de talentosos profissionais - negros em sua absoluta maioria - com diferentes tipos de colaboração à luta contra a discriminação racial no país.

O Espetáculo é mais do que uma encenação sobre a luta pelos direitos civis dos negros no Estados Unidos ou sobre os desafios e possibilidades da luta antirracista norte-americana, ainda que estes pontos estejam evidentes ao longo do texto. O grande debate proposto pela peça é sobre amor, medo, afetos, sonhos e humanidades, como já destacou a jornalista e ativista do movimento negro Ana Flávia Magalhaes Pinto, em texto escrito por ocasião do lançamento da montagem. (http://porfalaremliberdade.blogspot.com.br/2015/10/o-topo-da-montanha-e-afirmacao-da.html )

Desde a forma afetuosa com que o elenco recebe ao público antes do início do espetáculo até à profusão de fotos, beijos e histórias partilhadas ao final, passando pela forma completamente extasiante com que o elenco interpreta o texto; tudo aponta para um "modo diferente de fazer arte"; para um teatro engajado, que, preocupado com as pessoas, envolve e sensibiliza para o desafio de parir um mundo melhor. Uma reflexão precisa sobre como o racismo hierarquizou nossas noções de poder, beleza e prestígio.

A atuação de Taís Araújo, que se consagra no rol das grandes atrizes brasileiras, merece muito destaque; o teatro cheio de pessoas negras, felizes com a possiblidade de um texto e de atores que também os representassem soma-se à decisão política de, no coração da elite paulistana (no prestigiado Teatro da FAAP em São Paulo), realizar arte negra provocando os limites estéticos e políticos da branquitude monótona e violenta que tem sequestrado secularmente a cultura nacional. O espetáculo é um bom debate sobre a possibilidade de dialogar com as maiorias e de questionar o poder hegemônico por meio da arte.

A montagem brasileira de "O Topo da Montanha" nos lembra do quanto as pessoas negras têm sido aniquiladas pelos discursos eugênicos sobre cultura nacional, e, por outro lado, recorda que os "temas da militância negra" são temas universais porque são temas referentes às formas de reconhecimento e representação do humano e referentes às contradições presentes em cada um é cada uma de nós: medo, vacilação, coragem, crítica, altivez.

Num tempo em que as violações aos corpos negros são a regra geral; que jovens negros são mortos aos milhares e em que a presença negra nos espaços públicos continua a provocar reações de brutal violência e discriminação é revolucionária a arte que - pelo corpo e pela expressão das pessoas negras - afirma que o amor é, em si, um ato radical e revolucionário.

O Topo da Montanha questiona os sistemáticos processos de desumanização a que as pessoas negras vêm sendo submetidas e indica, que, se falar de racismo é falar de dor e covardia; falar de antirracismo é falar de amor, de cuidado, de carinho e de paixão.

Estes foram, para mim, os presentes de Lazaro e Tais no Dia da Consciência Negra.


Felipe da Silva Freitas é mestre em direito pela Universidade de Brasília e pesquisador associado do Grupo de Pesquisa em Criminologia da Universidade Estadual de Feira e Santana.



ENEM: machistas não passarão!

A movimentação política pelo enfrentamento da violência contra as mulheres celebrou grande vitória em 2015 com sua inserção no tema da redação do ENEM-Exame Nacional do Ensino Médio.

Com o enunciado “a persistência da violência contra a mulher na sociedade brasileira,” o Exame levou 5,7 milhões de candidatas e candidatos a refletirem a tecnologia patriarcal, da qual segundo o IPEA- Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, entre 2001 a 2011, ceifou 50 mil vidas, totalizando 5.664 mortes de mulheres por ano, 472 a cada mês, 15,52 a cada dia, uma morte a cada 1h30. Sem perder o critério racial da barbárie, mais de 60% das vítimas dessa violência foram mulheres negras.

Apesar das violências de gênero prejudicarem toda a população brasileira, subtraindo 10,5% do Produto Interno Bruto (PIB), equivalente a R$ 508,2 bilhões somente em 2013, o feminicídio, tipificado desde março do corrente ano, sempre esteve pautado junto ao Estado e governos, unicamente, a partir dos empenhos feministas.

O tema da redação do ENEM ilustrou para a sociedade quão importante é conhecer a violência de gênero, em especial o feminicídio. Entendê-lo como uma problemática a ser enfrentada pelo conjunto da sociedade e não solitariamente pelas ativistas mulheres.

Com efeito, ao ser colocado como tema da redação para o ingresso nos cursos superiores de faculdades e universidades federais, se esboça não somente o alcance do diagnóstico referente à criticidade dos candidatos no tocante a gênero, mas o estabelecimento da correlação de forças para a obrigatoriedade desse conteúdo e suas interseccionalidades no ensino médio.

Das trincheiras do debate racial, ativistas antirracistas precisaram refletir que mesmo sendo alvo da violência policial, componente importante do genocídio da população negra, muitos também são algozes de violências psicológicas, físicas, patrimoniais e simbólicas às mulheres negras.

Afinal, o patriarcado é universal. Invade a casa da trabalhadora doméstica no mesmo horário que espanca a patroa classe média. Mais tarde, passa por cima da subalternidade de classe e faz o morador de rua perseguir e esfaquear a ex-companheira que decidiu morar com uma mulher debaixo de outra ponte.

Trata-se, portanto, de uma pauta importante para toda a sociedade. Por isto coube aos candidatos à vaga citarem as leis de criminalização existentes, bem como as ações instituídas nos últimos nove anos, para a prevenção e controle da violência contra a mulher.

A Lei Maria da Penha, os centros de referência, as delegacias especializadas em atendimento a mulher são alguns dispositivos acionados para prevenir e combater o feminicídio.

Essas iniquidades para além da classe e do espaço social acontecem porque o machismo e o patriarcado racista são feridas impostas a cidadania e dignidades das mulheres.

Por isso, há que se celebrar a escolha a temática abordada na redação. Apesar das resistências e de comentários que desdenham do potencial desse tipo de iniciativa, vamos caminhando.

ENEM adianta recorrer. Machistas não passarão!






Carla Akotirene é mestre em Estudos Interdisciplinares sobre Mulheres, Gênero e Feminismo (Neim / UFBA)



Justiça tem sangue?

Esta semana (13/10) o Ministério da Justiça divulgou uma peça publicitária da Campanha “Brasil: A Imigração está no nosso sangue”. Trata-se da imagem de um belo jovem negro com a seguinte legenda: “Meu avô é angolano meu pai é ganês. Brasil a imigração está no nosso Sangue. Há cinco séculos, imigrantes de todas as partes do mundo ajudam a construir nosso país."

A primeira reação de qualquer um que vê uma pessoa negra se dizendo descendente de africanos na campanha é pensar: o MJ está comparando escravidão à imigração? Que imigração é essa que está no sangue? Estão falando dos estupros de meninas e mulheres negras que está no sangue de seus descendentes?

Então você entra no site da campanha e sim, é isso que está sendo dito: "Desde a chegada dos primeiros portugueses, em 1500, o Brasil tem recebido pessoas de todos os continentes, o que nos torna um dos povos mais plurais do planeta.(...) Muitos brasileiros têm famílias formadas por pessoas que migraram de outro lugar para cá: pai, avó, bisavô, tataravó... Essas pessoas, junto com os povos indígenas que aqui estavam, ajudaram a construir o Brasil."

Se imigração fosse equivalente à escravização; chegada fosse equivalente a assalto; ajuda a trabalho forçado e “junto com os povos indígenas” equivalente a etnocídio, não haveria nenhum problema com a campanha do governo brasileiro.

Mas há tantos erros que fica difícil identificar que o mesmo país que considera racismo hediondo, ignora aspectos retumbantes de sua história ou até mesmo trajetórias de políticas públicas, numa peça publicitária desastrosa.

A premissa da condição de equivalência e igualdade entre os povos que aqui chegaram ou mesmo que aqui estavam na “construção” do país é algo há muito superado na historiografia. Aqui chegaram diversos povos em condições diferentes com consequências ainda não transpostas a pessoas negras e povos indígenas.

A celebração da miscigenação para a população negra é a retificação da violência. O que está no nosso sangue são as consequências de abusos, estupros, coerção e diversas estratégias de um projeto genocida que teve na imigração europeia um de suas principais estratégias de branqueamento.

Desde ontem a campanha tem recebido diversas críticas no facebook do Ministério da Justiça, que tem respondido com o mesmo texto de agradecimento, informando que o foco da campanha é a xenofobia, e que o Ministério assim como o governo é contra o racismo.

Como é se posicionar contra o racimo realizando uma campanha contra a xenofobia com um modelo negro sem mencionar racismo? Como o Brasil vai combater xenofobia sem diálogo com racismo? Imigrantes de diferentes nacionalidades são igualmente discriminados?

Alguns dos principais casos recentes de xenofobia no país não por acaso tem ocorrido com pessoas negras de diversas nacionalidades: haitianas, cubanas, senegalesas. Entre os casos há tentativa de homicídio, xingamentos, perseguição e atiramento de bananas. Ser comparado a um macaco deve ser certamente uma experiência vivida por imigrantes de diversas nacionalidades...

Talvez para o Ministério da Justiça, celebrar a imigração seja combater a xenofobia e estampar uma pessoa negra em suas campanhas seja combater o racismo. Assim como dizer que o “governo é contra o racismo” seja a resposta para perguntas que não querem se calar:

Quantos negros o MJ tem em seus quadros para analisarem essa campanha? Que pluralidade é essa que não oportuniza a escuta? O MJ considerou a experiência das pessoas negras ao elaborar ao aprovar essas peças publicitárias? Essa campanha foi feita em diálogo com áreas que trabalham a questão do racismo no governo federal?

Fato é que, se imigração está no sangue, essa campanha vai permitir que o nosso continue a jorrar sob os olhos da justiça.


Dalila F. Negreiros é, militante do Nosso Coletivo Negro, Servidora Pública e Mestre em Desenvolvimento e Políticas Públicas pela Fiocruz.



A julgar pelas evidências, não fica só nisso

Noite de S. João para além do muro do meu quintal.

Do lado de cá, eu sem noite de S. João.
Porque há S. João onde o festejam.
Para mim há uma sombra de luz de fogueiras na noite,
Um ruído de gargalhadas, os baques dos saltos.
E um grito casual de quem não sabe que eu existo.
Alberto Caeiro (Fernando Pessoa)


Cabe ainda alguma reflexão sobre os episódios envolvendo a reforma ministerial da semana passada. O sacolejo tem, afinal, quais implicações para a luta política contra racismo e sexismo? Quais os efeitos dessas alterações na capacidade da Seppir de propor ações de governo comprometidas com a superação de desigualdades raciais?

A reação discreta à reforma que aglutinou três secretarias em um ministério, sabemos todos, está contaminada por um cenário que condiciona o ativismo a posicionar-se, com maior ou menor alarde, na defesa do governo Dilma, em razão do avanço conservador que articula abertamente um golpe de Estado.

Mas há ressentimento e frustração em muitos ambientes de militância, algum constrangimento e mesmo apreensão de que uma saída conservadora do momento atual já se beneficiaria do recuo que representa a aglutinação das secretarias. O espelho trincou ou embaçou.

Há sinais de que a solução encontrada para contornar a oposição à permanência das secretarias pode não ser duradoura. Basta ver o que já está acontecendo no país. A tendência à aglutinação e arranjos que, comprovadamente, neutralizam iniciativas já é forte nos estados. Aqui em Brasília, também o governo do DF está às voltas com pressões para pôr fim ao modelo agora adotado no governo federal. Eu sou você amanhã?

Impressiona, por isso mesmo, a disposição de alguns setores para a comemoração, inclusive distribuindo notas à imprensa. Vá lá saber o que esse pessoal está comemorando. Mas, como disse o poeta, há São João onde o festejam.

O novo arranjo ministerial é obviamente resultado de escolhas políticas, motivadas por necessidades escancaradas nos meios de comunicação. A reforma expressa, por isso mesmo, os interesses das forças que compõem o governo de coalizão. A presidenta Dilma foi franca e transparente na solenidade que anunciou a nova composição ministerial, dizendo que seu governo buscava apoio no Congresso e a reforma fazia parte desse contexto.

Mas devemos ressaltar que não se brigava apenas por cargos dentro da coalizão. Travam-se aí também importantes lutas políticas e ideológicas e as três secretarias sempre agravaram tensões dentro e fora de partidos da base, os quais em diversas ocasiões manifestaram seu incômodo com a existência delas.

A situação política se agravou? Cogita-se de imediato uma fórmula para sossegar os ânimos exaltados. Ainda que de forma especulativa, essas secretarias sempre foram vistas por certos setores como em vias de extinção. Confesso que cheguei a temer que acontecesse com elas o que aconteceu com a Comissão de Direitos Humanos da Câmara dos Deputados. Seria visto também como um arranjo na base de sustentação do governo?

Creio mesmo que até o nome do ministério foi objeto de intensa disputa e não me surpreenderia se o formato que desagradou a tantos aliados seja mesmo a expressão de uma última linha de resistência. A presidenta anunciou o Ministério das Mulheres, Igualdade Racial e Direitos Humanos, na sexta-feira, 2 de outubro. O “Estadão”, no dia 3, na primeira página, chamava ainda a pasta de ministério da Cidadania.

Nos dias que antecederam o anúncio, os meios de comunicação, com convicção, informavam que seria Cidadania o nome do ministério a ser criado para fundir (dissolver? aniquilar?) as três secretarias.

Hoje à tarde (05.10.2015), na cerimônia de posse, a presidenta Dilma corrigiu o anúncio do cerimonial da presidência, que havia colocado à frente a expressão “Direitos Humanos”. A presidente, ao corrigir, acrescentou: “Eles ainda insistem, insistem...”. A cena revela alguma tensão e preocupações com a hierarquização dos núcleos temáticos.

Já sabemos como as coisas são, sabemos também como elas foram, mas não sabemos como elas serão daqui pra frente. Mas devemos prevenir-nos contra alguns enganos. Conforme podemos depreender de certos indícios, o principal engano me parece ser imaginar que os grupos e facções que querem o fim das secretarias vão parar por aí.


Edson Lopes Cardoso é jornalista e doutor em Educação pela USP



Interseccionalidade: uso e comando nas lutas políticas

O teor prático da ferramenta interseccionalidade, pode ser validado como o mais importante instrumento politico e metodológico das classes subalternizadas nesta última década.

Cunhado pela afroamericana Kimberley Crenschaw (2002), a terminologia propicia a verificação do entrelace e interlocução dos marcadores sociais de raça, gênero, classe, orientação sexual, geração, identidade religiosa, dinamizados juntos, por vezes, ao mesmo tempo, em direção à determinada realidade social.

Propicia às/os militantes, na forma de organização e agendamento das suas pautas reivindicatórias, oferecerem aportes epistêmicos, para negros, mulheres, lésbicas, transexuais, jovens, dentre outras populações, utilizando-se da combinação de aprendizados pós-coloniais, feministas e do ponto de vista das mulheres negras.

Na ruptura com a visão inocente do papel político do Estado, a interseccionalidade, é capaz de capturar o racismo institucional enquanto ideologia estruturante tal como é o capitalismo; oferecer como tarefa metodológica a compatibilidade da terminologia racismo institucional com a nomenclatura sexismo institucional, usualmente colocadas nos programas de governos em patamares de importância política distinta, nas quais o segundo termo é complemento nominal do primeiro.

É comum em suas palestras pelo Brasil, Crenschaw ilustrar a respeito do termo interseccionalidade, a partir da situação simbólica de um acidente na rua transversal onde se encontra a mulher negra aguardando socorro político.

Para tal assistência, entretanto, há uma dificuldade do movimento negro em atendimento à vítima, por transferir a atenção política ao segmento de mulheres, esvaziando, assim, a marcação racial.

As feministas, por sua vez, fracassam ao dar socorro à mulher negra devido ao uso de instrumental brancocêntrico e por somente compreendê-la negra e não mulher.

Talvez seja por isto a provocação das feministas negras: “parece que todos os negros são homens e todas as mulheres são brancas!

Não estamos alçando a mulher negra como “a mais coitadinha” da sociedade patriarcal racista. Agora, dentro da estruturação das sociabilidades humanas, a mulher negra, sem dúvida, encontra-se posicionada de forma a ser atingida mais vezes e simultaneamente, por vários elementos identitários constitutivos, capazes de deixá-la a margem de abordagens, de fato, includentes.

O contexto expresso no genocídio da população negra, também pode nos ajudar a ilustrar a importância do olhar interseccional, porque embora as mulheres jovens morram em decorrência do aborto clandestino, ou mesmo alardem a violência doméstica, tais acontecimentos são compreendidos como problemáticas das mulheres e não da juventude ou do movimento negro. No entanto, as mortes dos jovens negros são assimiladas como o biopoder promovido contra a comunidade negra, com suas mulheres negras, jovens, cujas vidas dos filhos foram ceifadas.

É salutar compreendermos que, quando nos limitamos a um único marcador social para responder aos processos dinamizados das opressões, havemos de suprimir a real condição feminina, sobretudo, no tocante aos aspectos raciais e de gênero, pilares ideológicos marcantes numa sociedade sustentada por processos colonizadores.

A feminista negra Patrícia Hill Collins, conhecida pela ineditibilidade de entendimento acerca dos sistemas de opressão existirem antes intercruzados, enfatiza a necessidade de as mulheres examinarem também as suas experiências particulares dentro desse sistema, pois a raça, a classe ou gênero rotineiramente tomam lugar e tempo nas pautas feministas, sem que haja, segundo Collins, a percepção de que essas estruturas são paralelamente interligadas para opressoras e oprimidas. Apesar de darem a impressão de serem categorias universais, representando politicamente todas as mulheres e homens, gênero e classe são categorias aplicáveis meramente a um grupo restrito.



Carla Akotirene é mestre em Estudos Interdisciplinares sobre Mulheres, Gênero e Feminismo (Neim / UFBA)



Preticinha

Acordei hoje com o desconforto confortável dos privilégios a me atormentar. A verdade, é que dinheiro no bolso não resolve as humilhações, mas ajuda muito a manter a coerência das escolhas. Longe do alcance das necessidades, as barganhas podem ser negociadas pela consciência. Para os que tem uma, é fácil posar de consequente, de intransigente com os subornos do silêncio que estão à venda em redações de jornais e gabinetes de Ministérios.

O alvo de tudo é a carne preta. A classe é um escudo fino, mas muito valioso no mercado bélico do racismo. A ameaça da casa-grande é te lembrar que o escudo pode ser removido a qualquer tempo. Que podem te enxergar através dele, que os riscos são generalizados, que essa proteção não te imuniza do destino coletivo dos seus.

A tarefa dos que têm acesso ao escudo do vil metal, é mantê-lo a qualquer preço. Vale fortalecê-lo com pompas acadêmicas e boas maneiras, vale até a tentativa de dissolver o aço pra ver se impregna na pele. Qualquer coisa para se distanciar do campo de guerra onde vivem os pretos e pretas ainda mais desprotegidos. Habitar essas zonas sem guarda, sem vedação nenhuma, sem imunização das demissões ou execuções sumárias de cada dia é sentença insustentável.

Nessas faixas de gaza, brancos empobrecidos assumem o risco de habitar território de preto, local dos massacres e das violações livres de censura. Para os corpos escuros, não há redenção. Sem a virtude da pele branca e a guarida da grana, a sentença do abate está sempre a um passo de sua execução.

Por isso, faço meu discurso contundente como sinal de aliança, enquanto checo o saldo do dia e atualizo o passaporte para eventual necessidade de fuga.

Resistência protegida essa que exercito. Pode bem soar como rebeldia tutelada. Essa que vive do salvamento dos outros, desses pretos e pretas com quem posso me identificar de longe. Vidas que reivindico, mas não acesso. Troca de olhares desconfiadas num beco qualquer.

Mas sei que não estou a salvo e me ressinto. O escudo é parte da liberdade condicional que pode ser revogada a qualquer momento. Sem ele, temo pela vida, pela redução do consumo, pelo emagrecimento das minhas possibilidades já tão limitadas.

Mas confesso, de alguma forma, temo ainda mais pelo vilipendio da honra. Essa que há muito mira os escudos como letra escarlate para, por fim, decretar a morte. A morte imposta como pena necessária quando Palmares explodir sem a possibilidade de mediações.

Medo de ser confundida com esse tipo de traidor vil. Desses que sobem as custas do trabalho de toda a manada e não olham mais pra trás. Medo de ser esse tipo de traidora infiel, com discursos prontos e atitudes rasas.

Resistência vulnerável essa que exercito. Sitiada entre o compromisso da luta e as barricadas frágeis de algum conforto, mesmo que subalterno, de alguma fumaça de blindagem, mesmo que sabida ilusão.


Ana Flauzina é doutora em Direito e pesquisadora associada do Departamento de Estudos Africanos e da Diáspora Africana da Universidade do Texas em Austin (Estados Unidos)



Temores bem fundados

“O que vai melhorar nossa vida é a política.”
Milton Santos (revistazcultural.pacc.ufrj.br)

O artista plástico e escritor pernambucano José Cláudio da Silva, ao se definir como negro, há mais de trinta anos, utilizou as seguintes expressões: “Tenho medo de fardado, tenho medo de rico, tenho medo de lei, tenho medo de doutor” (“Redação sobre minha cor”, Novos Estudos Cebrap, v. 2, 1, p.73-75, abr. 1983).

A definição foi elaborada por quem se percebia, com seus temores, num dado contexto, envolvido por um conjunto de relações e instituições ameaçadoras. Eu sou aquele que, por ser quem sou, temo o poder do dinheiro e da justiça, a força das armas e do prestígio social.

Podermos dizer que, em razão das circunstâncias, a ideia de ser negro se organiza em torno de um imenso temor, que José Cláudio articulou a hierarquias e privilégios. Quem somos? Somos aqueles que, nesse tempo e nesse espaço, temos razão de sobra para sentir medo.

O registro desses padrões de percepção é importante e está ao alcance de qualquer um poder avaliar em profundidade como, nas últimas três décadas, nossos medos se reforçaram e se ampliaram. Ficamos curiosos também para conhecer como José Cláudio conseguiu fazer a organização visual dessa experiência. Sua arte não pode ter ficado imune a essa apreensão de nossas circunstâncias. Vamos conhecer o acervo de José Cláudio da Silva?

No momento em que escrevo há grande receio de que a reforma ministerial mutile definitivamente a Seppir (Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial). Esse também é um medo antigo. Desde 2003, ano de sua criação, a Seppir convive com o assédio obstinado de adversários e de “amigos” da base aliada, com a insegurança e a imprevisibilidade.

Ao longo dos anos, em todas as turbulências, nas mais diversas conjunturas, rumores disseminavam a insegurança quanto ao futuro do órgão. Parece que já nasceu doente terminal, cujo obituário está redigido em todas as redações.

O motivo alegado de contenção de gastos, face às necessidades do Estado, é insustentável. Até as pedras sabem, na Esplanada, que a boa gestão das finanças públicas não está na dependência da continuidade ou não da Seppir e seu minguado orçamento.

Independente de seu tamanho ou de sua força, de seu dinamismo ou eficiência, a Seppir incomoda. Nós encontramos políticos da base aliada ou não encarando a Seppir do mesmo ângulo favorável a sua extinção, porque estão todos substancialmente comprometidos com a ideia de que aos brancos, por sua superioridade intrínseca, deve caber a captura do Estado.

A existência da Seppir sugere que, na formulação e execução de políticas públicas, o Estado inclina-se a incorporar uma perspectiva inédita. Pouco importa se vai priorizar a fundo o interesse de descendentes de africanos, o que conta é que essa possibilidade se abriu, com algumas conquistas, e isso é inaceitável. A Seppir, portanto, incomoda por sua dimensão político-ideológica e não porque amplia o gasto público.

Estamos sendo arrancados dos ônibus e linchados, o racismo evangélico invade, queima e destrói terreiros de candomblé e umbanda, a política de segurança pública mais consequente espalha cadáveres negros em todo o país – é nessa moldura que devemos buscar apreender os sentidos mais profundos das restrições que se anunciam para a Seppir.

A conjuntura exige de nós que superemos nossos medos de fazer política. Segundo Hannah Arendt, a tarefa e objetivo da política é a garantia da vida em seu sentido mais amplo ( O que é política? 7ª ed. Rio de Janeiro: Bertrand, 2007). Além da ameaça à Seppir, as agressões afetam a continuidade de valores culturais e religiosos e nosso próprio direito à existência. Torçamos para que uma consequência importante dessa conjuntura seja o crescimento de nossa participação política.


Edson Lopes Cardoso é jornalista e doutor em Educação pela USP




Buscar
Categorias
Lojinha