Reflexões


O que acontece é muito diferente

Enquanto o clichê, bastante afastado da realidade, insiste em enxergar uma ameaçadora volta à senzala, algo muito diferente disso parece estar acontecendo com a população negra.

Na busca por razões que possam dar conta da desmobilização e o que entendem como passividade do “povo brasileiro”, alguns formadores de opinião preferem buscar marcas da sociedade colonial escravista no corpo de descendentes de africanos, maioria da população, e elegeram Debret e seus bonecos como a representação conveniente, que traria ainda o prestígio da autoridade cultural.

Um problema para essa explicação cômoda e consoladora é que os negros não se mostram entorpecidos e há sinais evidentes, na conjuntura, de ampliação da mobilização, com destaque para as várias frentes do movimento de mulheres. Uma presença efetiva que vem se adensando, com envolvimento crescente da juventude inquieta.

Não é, deve-se realçar isso, uma intervenção política de tipo único que possa ser reduzida ou controlada dentro de limites partidários. Creio mesmo que as tendências principais que caracterizam o momento não têm origem em organizações partidárias.

Antes da internet, as iniciativas de movimento negro expandiam-se em um subterrâneo praticamente inalcançável por pautas jornalísticas e coberturas, as quais se mostravam indiferentes a fatos políticos que envolvessem o protagonismo de mulheres e homens negros.

Hoje, que há uma avalanche de iniciativas facilmente acessíveis na web, impressiona a pouca atenção que continuam a receber das editorias, num momento, acrescente-se, “em que o jornal é mais lido em sua versão digital do que em sua versão impressa”.

Campanhas, denúncias, marchas, transmissões de debates e palestras quase nunca são mencionadas pela grande mídia, que permanece aferrada a um paradigma que exclui sumariamente um grupo humano expressivo de suas preocupações.

O discurso da volta à senzala e das marcas do escravismo é expressão desse distanciamento, uma explicação ilusória que cria obstáculos para uma análise mais rigorosa. Nosso jornalismo nem imagina que negros possam colocar em questão o poder político, quando os negócios públicos e de Estado apresentam teor elevado de obscenidades, como assistimos na votação da última quarta-feira na Câmara dos Deputados.

Desprezam ainda o fato histórico de que a maior contribuição que demos à cultura brasileira é o fio contínuo, persistente, de nossa luta por liberdade e pela afirmação da dignidade humana de africanos e seus descendentes. Corta essa de volta à senzala.

As ruas e praças vazias devem ser encaradas como um problema político e que deve ser politicamente resolvido. Sem recorrer a atavismos e semelhantes. Há medo e insegurança porque a brutalidade policial irrompe a qualquer momento, diuturnamente vigilante, e o fortalecimento do narcotráfico acrescenta sempre novas formas de opressão. Mas quem fala em omissão e alheamento desconhece o cotidiano de mulheres negras e homens negros. Orientem-se, ou melhor, reorientem suas pautas e livrem-se de representações coletivas prisioneiras da miopia e da preguiça.


Edson Lopes Cardoso
Jornalista e Doutor em educação pela Universidade de São Paulo



A marca indelével

A subordinação de africanos e seus descendentes durante o longo período de escravização foi tensionada por atos cotidianos, individuais e coletivos, de resistência e enfrentamento. No Brasil, precisamos repetir isso a todo o momento. Está sempre à espreita uma generalização, feita com base em estereótipos, que nos atribui comportamentos legitimadores da dominação.

Lula foi condenado pelo juiz Sérgio Moro. O que se seguiu ao anúncio da condenação não foi um levante popular de grandes proporções, varrendo tudo pela frente? O jornalista Mino Carta se apressa em explicar as razões do que entende ser uma grave manifestação de apatia e alheamento popular:

“E casa-grande e senzala continuam de pé, donde a facilidade de entender por que a maioria de um povo que ainda traz nos lombos a marca da chibata não lota ruas e praças e põe a tremer o solo pisado e o coração dos senhores.”

Não há preocupações maiores com o nível real de mobilização política do PT hoje na sociedade brasileira. Isso parece não ter nenhuma relevância. A explicação “fácil”, porque sugere um aparente vínculo causal, de natureza “histórica”, é a “marca no lombo”.

A gravura de Debret na capa da revista “Carta Capital”, edição especial, ano XXIII, nº 961, de 19/07/2017, fortalece o argumento da continuidade histórica e a subordinação de negros passivos e serviçais é uma representação paradigmática, a partir da qual toda abstenção política encontrará justificativa.

No início do PCB, é comum encontrarmos opiniões de dirigentes comunistas brasileiros a respeito dos efeitos do “cativeiro prolongado” na população negra, que lhe embotava “o senso moral e social”. Elas são muito semelhantes às reiteradas alusões contemporâneas feitas por Mino Carta e outros jornalistas. Vejam exemplos em “A derrota da dialética”, livro de Leandro Konder, (p. 137 e 151). A coisa é velha, portanto.

Sempre que há negros no pedaço, a tendência é explicar tudo a partir do passado. Somos seres singulares e constituímos uma área de grande autonomia, por isso conjunturas e razões econômicas e sociais contemporâneas não nos podem alcançar. Mudanças estruturais, abalos na geopolítica global, nada nos afeta. Seremos sempre explicados pela marca da chibata no lombo.

“Os estragos deixados pela escravidão na consciência das massas” segue sendo, portanto, o eixo central de um diagnóstico que sempre traz algum consolo à incompetência das esquerdas no Brasil. A chibata no lombo de quase-animais estabelece a impossibilidade de uma reação eficaz, em que pesem os esforços da liderança iluminada.

O desdém quase aristocrático de descendentes de imigrantes, impregnado de preconceitos, nunca pôde construir um modo de percepção que valorizasse, por exemplo, o mar de rostos negros que encontro, neste momento, na batalha das ruas de Salvador, numa conjuntura de desemprego, fome e extrema violência.

Há ansiedade e desespero, os nervos estão à flor da pele, os ambulantes se atropelam. Há combatividade e resistência e é tudo que lhes resta para enfrentar a situação. Na real, não temos jornalismo no Brasil que se disponha a abandonar generalizações e se volte para recolher testemunhos e vivências do povo negro

Edson Lopes Cardoso
Jornalista e Doutor em educação pela Universidade de São Paulo



CANDIDATO NEGRO – O QUE VIRÁ POR AÍ?

Em abril de 2002, com a renúncia de Anthony Garotinho para concorrer à presidência da República, assumia o governo do Rio de Janeiro sua vice, Benedita da Silva, pelo curto período de nove meses.

O “Jornal do Brasil” fez o registro do fato de uma forma que merece nossa atenção (edição de 07.04.2002). Colocou foto colorida do rosto emocionado de Benedita ao lado de imagem não usual, sombria mesmo, em preto e branco, da baía de Guanabara.

“Imagens surreais” era o título da legenda, que se referia às duas imagens: “Primeira negra a governar um Estado, militante do PT e evangélica, Benedita da Silva cantou e chorou na cerimônia de posse. Vai administrar instalada no palácio Guanabara, ponto histórico da cidade retratada em imagens surreais na exposição do fotógrafo Renan Cepeda, no Rio Design Center”.

Ao aproximar a imagem de Benedita, que tomava posse como governadora, de uma imagem familiar da cidade, mas que se apresentava distorcida pela visão do artista, o JB ilustrava o argumento racista de que com uma governadora negra tudo se transformava na paisagem, tudo ficava preto.

No ano seguinte, em 2003, em sua sabatina no Senado para exercer o cargo de ministro do STF, Joaquim Barbosa dizia ter “esperança de que, nos próximos dez ou quinze anos, uma indicação como esta seja uma coisa banal. Essa indicação contribuirá seguramente para aquilo que chamo – com um palavrão, e gostaria que V. Exas. me perdoassem – de a desracialização da esfera pública no Brasil. Ou seja, se, hoje, uma indicação dessa natureza provocou todo esse estrépito é porque a sociedade, de alguma forma, está racializada”.

A desracialização da esfera pública e da sociedade é uma expressão elegante com que se pode evitar a palavra racismo. Numa sabatina, cercada de tensões, parece importante selecionar o que é aceitável do que não é aceitável e se apostou na velocidade presumida de mudanças profundas na sociedade brasileira.

Mudanças que não ocorreram, o que acabou provocando a questão levantada por Joaquim Barbosa em 2017, respondendo aos que expressam o desejo de vê-lo candidato à presidência da República: “O Brasil está preparado para ter um presidente negro?”.

Não sei se alcanço toda a extensão de significados desse “estar preparado”. As formas de dominação e os poderes que oprimem o negro no Brasil não se alteraram nesses “dez ou quinze anos”. “O Atlas da Violência” do Ipea, divulgado no início de junho, para ficarmos num exemplo recente, explicita uma dimensão das relações de guerra que a sociedade brasileira mantém contra o segmento negro. Por outras palavras, o Brasil não está preparado para deixar viver um jovem negro ou uma jovem negra.

No período em que tudo deveria melhorar, conforme a previsão de Joaquim Barbosa em 2003, foram assassinados mais de quatrocentos mil jovens negros. Ou extermínio, ou desqualificação, exclusão e desemprego são essas as condições históricas em que deve prosperar uma candidatura negra à presidência da República. Não dá para fugir dessa condição de existência, real, material e concreta da maioria da população.

Ou, dizendo de outra maneira, o país que não permite a sobrevivência dos negros de diferentes idades aceita sob que condições uma candidatura negra? Parece-me que a questão fica posta assim de modo mais apropriado. Aqui devemos temer a renovação, às nossas custas, de fórmulas em que ninguém mais acredita. Não há, efetivamente, sinais de ampliação da convivência, exceto o mínimo indispensável ao aniquilamento e à sujeição extremada.

Há uma guerra, certo? A guerra atende a que objetivos políticos? Quando falamos em genocídio e extermínio, estamos falando de objetivos que pretendem alcançar o fim de toda a população negra, não é isso mesmo? Qual será então o significado de uma candidatura negra numa sociedade disposta a pôr um ponto final na existência dos negros?

A gente fala que não dá, depois torce a língua. Lembro-me de deputado federal negro do Rio de Janeiro, uma das maiores concentrações de melanina que já passaram pelo Plenário da Câmara dos Deputados, que não perdia ocasião para louvar a princesa Isabel e “resgatar” o 13 de Maio. Era um sebo. Quem sabe o que virá por aí?


Edson Lopes Cardoso
Jornalista e Doutor em educação pela Universidade de São Paulo




ATLAS DA VIOLÊNCIA – CONTE ALGO QUE NÃO SEI

Os negros, segundo “Atlas da Violência “do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada - Ipea divulgado no último dia 05, tornam-se, cada vez mais, alvo de ataques homicidas. De 2005 a 2015, 318 mil jovens foram assassinados no Brasil, negros em sua esmagadora maioria. “Futuro perdido”, dizia a chamada de primeira página de “O Globo”, na edição de 06.06.2017, para reportagem de Juliana Castro e Miguel Caballero.

A divulgação do Atlas, no entanto, gerou poucos comentários na mídia e está muito longe de representar algum escândalo público. Até a indignação que ouvi de comentarista da rádio BandNews me pareceu construída com palavras meramente rituais:

“Não é possível que você tenha um número como esse, em que mais de 7, em cada 10 vítimas de homicídios, sejam negros e você dizer que é um país onde tem uma democracia racial, isso é brincadeira, é uma ilusão que a gente vive.”

Estou tentando dizer que o comentário não se incorpora à situação. Democracia racial? Quem realmente viveu ou vive essa ilusão entre nós? Ou melhor, quanta hipocrisia e quantos cadáveres são necessários para se conservar uma convicção de fachada? A alegação para abandoná-la somente agora é a de que não se dispunha de informações completas e de cadáveres suficientes. Todo mundo, finalmente, toma conhecimento de tudo.

Colho as frases seguintes da reportagem de “O Globo” (p. 8): “A já conhecida predominância de população jovem e negra entre as vítimas não só se manteve como se acentuou”; e esta outra: “Ser negro no Brasil aumenta a chance de ser assassinado e este é um dado que está se acentuando”.

Se, de cada 100 assassinatos, em 71 a vítima é negra e esta realidade está em franco progresso, com certeza será uma ironia macabra alguém expressar entusiasmo e confiança no futuro do povo negro no Brasil.

Não há também, que eu saiba, após a divulgação da pesquisa, nenhuma compaixão, nenhuma solidariedade diante do sofrimento revelado pelos números. Desnecessário dizer que dentro das regras estabelecidas pelo racismo, trata-se de eliminar vidas que não importam, elementos indesejáveis.

Outro dado interessante dessas pesquisas é que elas não incluem a avaliação de nenhuma política pública. Os textos midiáticos também não registram a avaliação de nenhum fracasso, porque afinal o subentendido é que nunca se tentou a sério fazer mesmo alguma coisa.

Após várias CPI’s, na Câmara e no Senado, de debates com a participação de familiares de vítimas e representantes de movimentos negros, viagens pelos estados, cursos e oficinas buscando o diálogo com o ministério público e outros atores, livros, filmes, cartilhas e campanhas, a sensação diante dos números do “Atlas da Violência” é a de que estivemos todos empenhados em atos fraudulentos.

A consciência de que se comete no Brasil um massacre contra os negros pode ainda abandonar todos os escrúpulos e usar os dados do extermínio como recurso argumentativo para propagar que os negros se odeiam.

Um bom exemplo é o prólogo da coletânea “Bala perdida - a violência policial no Brasil e os desafios para sua superação”, no qual Marcelo Freixo afirma que “A tragédia carioca e brasileira é ver homens de preto, quase todos pretos, matando homens pretos”.

Entendo que a tragicidade decorre do fato de os pretos se matarem entre si. Gente doida, muito doida mesmo. O que seria uma estratégia política coerente com essa leitura de nossa realidade? Não aceitar policiais negros? Não permitir que policiais negros, em razão do ódio racial, possam andar armados? Ou manter prudente distância desses rituais africanos macabros?

O certo é que os brancos atilados e espertos conseguem ver as razões mais profundas que determinam o fim da população negra ( “essa gente não se suporta...”), mas nada podem fazer para salvar-nos de nosso fim trágico.

A falta de novidade parece reduzir o impacto do Atlas. “Conte algo que não sei” é o nome de uma coluna de “O Globo” e a expressão pode servir de paradigma para o oportunismo cínico. Mas não podemos aceitar que essas sejam as últimas palavras sobre a continuidade da vida dos descendentes de africanos no Brasil. A recepção silenciosa a essa barbárie diz muito do que somos e só fortalece as condições para que os assassinatos continuem a acontecer.


Edson Lopes Cardoso
Jornalista e Doutor em educação pela Universidade de São Paulo



Estamos vendo de fora, porque estamos de fora

A perfeição da língua falada todo dia capta a naturalização e a banalização da propina no meio político e empresarial. “Ô Florisvaldo, leva esse milhão nesse endereço aqui.” Desculpem-me, mas estou encantado com a fórmula, do coloquial mais trivial, utilizada pelo operador da JBS que aparece depondo nos vídeos em que se afundam todos.

Sabe aquela língua de todo dia, mas parecendo vir de fora do mundo em que se estava na procuradoria? Fala-se em propina grossa para os mandatários da nação, coisa pra durar vinte anos, e, súbito, precisa-se de um portador para levar algum dinheiro num certo endereço. O portador estava ali, à mão: “Ô Florisvaldo, leva esse milhão...”

A moldura é quase doméstica, uma tarefa urgente qualquer, o portador de confiança autorizado a circular na vizinhança: “Ô Florisvaldo, leva esse milhão no endereço que Temer indicou”.

É o dinheiro público, deveríamos nos sentir de algum modo próximo dele, mas as cifras mirabolantes se sucedem, muito além da experiência da maioria, como uma dimensão constitutiva de um mundo irreal.

Milhões, muitos milhões, bilhões e bilhões e bilhões. Nessa perspectiva, os trocados, aliás bem minguados, de nossa resistência cotidiana fortalecem um campo de impossibilidades, são limites praticamente intransponíveis.

Os cúmplices também não se querem semelhantes. Os políticos se reduzem a indivíduos permanentemente envolvidos em falcatruas, são seres desprezíveis aos olhos mesmos dos corruptores, que passam de assediadores a assediados.

Eles meio que se vitimizam em suas delações, surpreendem-se e se chocam com a voracidade dos políticos. A degradação do político profissional anda numa escala nunca vista, reclamam os corruptores. Que tal essa?

A maioria da população se inquieta, mas continua buscando simplesmente sobreviver. Colho numa carta publicada no jornal “Estado de S Paulo” (21.05.2017) a imagem gasta da escravidão que encobre nossa impotência: “Nessa disputa suja o povo brasileiro acabou refém, sem ter quem o liberte do cativeiro em que se encontra”.

É sempre a imagem da escravidão, com a projeção da princesa libertadora. Uma metáfora que encanta as redes sociais (“Temer revoga a lei Áurea”). Na mesma edição do Estadão, leio que a mecanização quase total da lavoura de cana-de-açúcar no Estado de São Paulo está acabando com os cortadores braçais, boias-frias.

Lembrei-me da frase de abertura de uma campanha que está no ar do agronegócio/rede globo, uma novíssima premissa histórica: “Desde o Brasil colonial, a cana ajuda a movimentar nossa economia”. O anúncio julga poder separar a cana de seu contexto político e social. A cana adquire autonomia e se distancia, no passado, da instituição da escravidão e dos seres escravizados que plantavam, colhiam, faziam a moagem, o melado, o açúcar. No presente as colheitadeiras vão fazendo o trabalho dos cortadores manuais, “o agro é tech”.

As imagens do anúncio, no entanto, ilustrações do século XIX de Henry Koster e Hercules Florence, este via Benedito Calixto, dizem outra coisa e há desenhos de negros escravizados, na labuta do engenho. O anúncio dura 50 segundos, tudo é muito rápido. Prevejo um futuro próximo em que aquelas figuras escuras dos desenhos de Koster e Florence serão incompreensíveis para a sensibilidade moderna forjada no “agro é tech”.

Se pensarmos numa perspectiva ampla, de aniquilação completa, o apagamento do passado é primordial. O “agro é tudo” demonstra sua ousadia numa releitura ideológica em que se constrói uma superioridade avassaladora.


Edson Lopes Cardoso
Jornalista e Doutor em educação pela Universidade de São Paulo




Buscar
Categorias
Lojinha